Cardápio, como surgiu?

Compartilhe este texto:

Criado no século XIX por Antônio de Castro Lopes, um filólogo que era avesso aos estrangeirismos e que por isso criou o termo, a palavra CARDÁPIO é um termo unicamente brasileiro, que tem em sua etimologia o uso de duas palavras do Latim charta e daps, que significam folha escrita(lista) e banquete, ou mesmo alimento, para se referir a MENU que por sua vez se originou da palavra CARTE.
menuA partir da Revolução Francesa os restaurantes nos moldes modernos que hoje conhecemos começaram a se popularizar e a se espalhar pelo mundo. Para facilitar seu trabalho e possivelmente aumentar o número de seus clientes, os donos desses estabelecimentos passaram a pendurar na fachada a CARTE, que em francês significa placa, que tinha a função de avisar e mostrar o que ali era servido e o quanto custava. Mas, talvez por influência de seus clientes, que após se acomodarem em suas mesas, não desejando levantar-se e ter que sair do restaurante para ler novamente a CARTE, tampouco ficar perguntando ao atendente o que ali era servido, algumas casas passaram a oferecer uma versão móvel e menor de sua CARTE, ao qual se deu o nome de MENU, que do Latim deriva de minutus, diminuto.
Mas, pelo que parece a história do “CARDÁPIO” pode não ter começado ai e sim em tempos mais remotos.
Há pelo menos duas versões acerca da origem do cardápio, menu, carta, ementa, e de quando essa lista começou a ser utilizada[1].:
O primeiro cardápio documentado está no acervo do Museu do Palácio de Versalhes, e data de 21 de junho de 1751. Foi o menu de um banquete oferecido pelo rei Luís XV da França à comunidade financeira. Listava 48 pratos, sopas, carnes, sobremesas. Foi desenhado pelo artista e calígrafo Brain de Sainte-Marie.
Embora não documentado, teria havido um cardápio mais antigo, conforme os alemães, que se dizem seus inventores.
Em 1521, o duque Heinrich Brunswick-Wolfenbüttel fez com seus cozinheiros escrevessem num pergaminho a lista dos pratos servidos no banquete de abertura da Dieta de Worms. A sudoeste da Alemanha, no Estado da Renânia-Palatinado, situa-se a cidade de Worms, que é conhecida pela fabricação do vinho branco Liebfraumilch, uma assembléia, convocada pelo imperador Carlos V, que julgava Martinho Lutero por crimes cometidos contra a Igreja Católica, foi a chamada Dieta de Worms.
A palavra dieta vem do latim díaita (modo de viver). Segundo o dicionário Michaelis, “dieta” tem dois significados: regime alimentício e assembléia política ou administrativa.
Seja qual for a ganhadora das dissidentes histórias, o que importa é que o Cardápio influencia direta e ativamente na operação do estabelecimento. Se antes ele surgiu para avisar o que era servido, hoje em alguns casos, ele direciona ou precede o projeto de criação de um estabelecimento gastronômico.
cardápio camAgregando em seu “corpo” novos conceitos de venda, artes visuais e neologismos, passando até mesmo por uma “revolução” gráfica, sendo apresentados de formas diversas: impressos com tecnologia de ponta e design premiado nos restaurantes de luxo, em letreiros luminosos multicoloridos dos fast-foods, ou em telas de última geração sob as mesas dos restaurantes “high tech”, tornam se muitas das vezes o ponto norteador dos donos, pois, é através deles que é formada toda base de informação das casas, e é também através deles que se influenciam os comensais de forma positiva (ou mesmo negativa). Pode, por vezes, alavancar um restaurante e em outras, pode derrubá-lo.
Observe quantas vezes um cardápio lhe fez recordar daquele simples e maravilhoso almoço de domingo em família ou nas vezes que arruinou uma noite romântica pelos pretensiosos excessos.
De simples placa pendurada na fachada, que surgiu da necessidade de informar, assume novas formas e funções: atrair, conquistar, emocionar os clientes e gerar mais venda e lucro.

Referências

“A Rainha que virou pizza” – José Antônio Dias Lopes – Obra sobre Gastronomia ao longo da História- 2007 – Cia.Editora Nacional
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cardápio

Publicado por

Nastacia e Benta

Tia Nastácia com habilidades mágicas na cozinha, uma profunda conhecedora dos sabores e das tradições populares do Brasil , frita bolinhos de chuva, assa biscoitos, cozinha lentamente a geleia feita com as jabuticabas plantadas no quintal. Foi de suas mãos que surgiu a a irreverente, tagarela e espevitada boneca de macela Emília. Já D.Benta é uma mulher idosa, avó de Narizinho e Pedrinho. Dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo, ela se diverte muito com os conflitos das tramas infantis. Muito sabida, sempre ensinando coisas novas aos netos e informando-os sobre a cultura do Brasil e do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *