ABC do Espumante

Compartilhe este texto:

Verão e Festas – época de espumantes!espumantes

O verão começa agora e  chegou com toda força…

E com ele o calor, os dias mais longos, as festas de final de ano e as férias, muitas vezes em praias deste imenso e variado  litoral brasileiro. Nesta época, o consumo de espumantes aumenta em todo o país. Embora seja cada vez mais consumido ao logo do ano, o vinho borbulhante tem a cara do verão. É uma bebida alegre, refrescante, e que acompanha bem qualquer tipo de comida.

Atualmente os espumantes brasileiros estão entre os melhores do mundo, com ótima relação custo-benefício. Mais um bom motivo para saudar a chegada do verão com uma taça de espumante.

Do aperitivo à sobremesa, os espumantes têm brindado cada vez mais as refeições dos brasileiros. É o que mostram as pesquisas do Ibravin, Instituto Brasileiro do Vinho, pois a bebida deixou de ser exclusividade das festas de fim de ano. Anteriormente, 70% das garrafas eram vendidas no último trimestre, agora essa proporção caiu para 40%. Ou seja, estamos bebendo espumantes de forma mais contínua, com goles bem distribuídos ao longo do ano.

Mesmo com o consumo em alta, sobretudo no verão, ainda existem algumas dúvidas. Por exemplo: é certo ou errado colocar a garrafa no congelador para refrescar antes de servir? Ou ainda: é correto chamar todo tipo de vinho espumante de champanhe? Mais: para beber, por que não se usam aquelas taças largas tão comuns nos filmes da era do rádio, e sim os copos mais longos e finos?

Verifique abaixo informações e respostas para algumas questões a respeito desse tipo de bebida.

O que é um espumante

É um vinho que passa por duas fermentações. Na primeira, comum a todas as bebidas do gênero, o açúcar contido no próprio suco das uvas é transformado em álcool. Para que a segunda fermentação ocorra são adicionados açúcares e leveduras. Juntos, eles produzem mais álcool e também o gás carbônico, responsável pelas características borbulhas (perlage).

As principais uvas

Espumantes são feitos em várias regiões do mundo, mas as uvas podem mudar de um país para outro. De modo geral, a chardonnay (branca) e a pinot noir (tinta) são empregadas na produção. Na França, essas duas uvas, mais a pinot meunier, compõem a fórmula de muitos champanhes, produzidos exclusivamente na região de Champanhe. Na Itália, se fabricam bons espumantes a partir de uvas prosecco, enquanto na Espanha, são famosas as uvas macabeo e parrellada. No Brasil, além da chardonnay e da pinot noir, destacam-se também a riesling itálica e a moscato, que serve de base para espumantes doces.

Tipos de espumante

Diante da prateleira do supermercado é comum encontrarmos quatro tipos de rótulos: brut (seco), demi-sec (meio seco ou ligeiramente adocicado), doce (bem açucarado, bom para acompanhar sobremesas). A diferença entre eles está na quantidade de açúcar adicionada na segunda fermentação. Existem ainda os rosé (feitos a partir de uvas tintas).

Métodos de produção

Existem duas maneiras de fabricar espumantes. O método mais tradicional é chamado champenoise e foi criado na França, na região de Champanhe. Nele, a segunda fermentação ocorre dentro da própria garrafa. O trabalho é minucioso. Os açúcares e leveduras responsáveis pela segunda fermentação vão se depositando nos gargalos das garrafas, que são colocadas de cabeça para baixo e giradas periodicamente. Ao final da maturação, o gargalo é congelado e, na abertura, os resíduos são expulsos pela pressão interna provocada pelo gás carbônico. Já no método charmat, a segunda fermentação é feita em grandes recipientes, geralmente de aço inoxidável, projetados para suportar grandes pressões. Nesse caso, é mais fácil extrair os resíduos de leveduras.

 Todo champanhe é um espumante, mas nem todo espumante é champanhe
Parece confuso, mas a explicação é simples. A região francesa de Champanhe é a única que pode utilizar oficialmente a designação de champanhe para espumantes feitos pelo método champenoise. Em outras regiões, esse tipo de vinho recebe outros nomes.

Na Espanha, espumante é cava. Na Itália, prosecco
A região da Catalunha, no nordeste da Espanha, é a principal produtora de vinhos cava, espumante típico do país produzido pelo método champenoise. Na Itália, o espumante mais conhecido vem do Vêneto. É chamado de prosecco, que é o nome da uva que o origina.

Como deve ser servido

Espumantes pedem taças flute, em forma de tulipa alongada. Ela conserva melhor o gás e mantém as borbulhas por mais tempo. Segure a taça pela haste, o que evita sujá-la e também que o calor da mão esquente a bebida. A temperatura média recomendada para servir um espumante é entre seis e oito graus Celsius.

Uma anotação importante: temperaturas muito baixas podem acentuar a acidez e diminuir os aromas da bebida.

Posso colocar o espumante no congelador?

rolha-espumanteAtire a primeira rolha quem nunca colocou um espumante no congelador para ganhar tempo. Para vinhos tintos e brancos normais a medida é até aceitável. Mas no caso dos espumantes isso é perigoso. A pressão contida na garrafa pode fazer com que ela exploda. A forma correta e segura de servir é colocar a garrafa de espumante em um balde de gelo com água, para melhor distribuir a temperatura, de 25- 30 minutos antes do brinde.

Espumantes combinam com…

Peixes e frutos do mar são quase sempre bons parceiros dos espumantes. Pratos com alto teor de gordura, como as frituras, também casam bem com esse tipo de bebida. No caso das carnes vermelhas, a harmonização com espumante é perigosa (melhor não arriscar). Para acompanhar a sobremesa, aposte em exemplares doces como os espumantes feitos a partir da uva moscatel.

COMO RESFRIAR O ESPUMANTE

Parece bobo, mas todo o ano, algumas pessoas perdem a visão por “rolhas assassinas” como a sua.

O que as pessoas não sabem, é que não se deve resfriar o espumante no freezer. Em primeiro lugar, porque demora mais do que no balde de gelo, em segundo, porque a rolha perde a elasticidade e pode causar acidentes coespumante-baldemo o descrito acima. Além disso, alguns enólogos consideram que o choque, a -20ºC, pode alterar as características do espumante.

A forma correta e segura de servir um espumante é colocar a garrafa em um balde de gelo com água, de 25-30 minutos antes de consumir

A melhor maneira de resfriar o espumante é coloca-lo em um balde de água com gelo (na proporção meio-a-meio), mantendo a rolha para fora do balde. Em 25-30 minutos, ele estará gelado. É importante lembrar que, antes dele ficar gelado, deve-se incliná-lo algumas vezes, para que o líquido próximo ao gargalo seja misturado com o do fundo da garrafa, permitindo um resfriamento por igual.

Truques aceleradores

Se quiser resfriar um pouco mais rápido, pode colocar um pouco de sal no balde. Isso altera o ponto de fusão da água e permite que você tenha água mais gelada, sem que ela vire gelo.

Adicionar um pouco de álcool é importante. Ele é dissipador de calor da bebida, pois evapora e leva o calor embora, similar a sensação de frio que ocorre quando passamos um pouco de álcool na pele, onde o frio que se sente é exatamente em função do calor ter sido dissipado rapidamente com álcool. O sal aumenta o ponto de fusão do gelo, fazendo com que ele demore mais para derreter, aumentando então a eficiência, “autonomia” da “carga” de gelo, além também de servir para aumentar a condutividade (a eficiência na troca de calor).

O álcool é uma substância volátil, ou seja evapora com facilidade, à medida que evaporar, ele “rouba” calor da mistura, então ajuda a gelar mais rápido.

Economicamente, o sal é mais viável que o álcool, caso queira optar por um dos dois apenas, pois é necessário mais álcool do que sal para obter o mesmo efeito. O fato de usar os 2 ao mesmo tempo, faz potencializar a ação de gelar a bebida mais rápido.

Com tudo isso, será possível ter um espumante mais gelado e mais rápido, além de diminuir a chance de acidentes, desde que a rolha seja aberta da maneira correta.

espumante-lona1

Em taças ou em pratos, diversas formas de consumir espumantes:

 DRINKS: alguns drinks com espumante podem ser elaborados sem o uso de muitos ingredientes e utensílios. O Bellini, que mistura suco de pêssego e espumante em partes iguais, cai super bem em happy hours. As Mimosas, que combinam o espumante com suco de laranja, harmonizam bem com brunchs e cafés da manhã em clima de festa, veja muitas receitas neste outro post, Drinks de Espumantes;

  1. PARA FAZER A MARINADA: além dos temperos tradicionais de sua preferência, adicione meia garrafa de espumante ao deixar a ave do Natal de molho, preferencialmente um dia antes de assá-la. O espumante não só realça o sabor dos temperos, mas também ajuda a penetrá-los na carne;
  2. PARA REGAR O ASSADO: passada uma hora com a ave no forno, recomenda-se regá-la de hora em hora para que a carne não resseque. A dica aqui é regá-la adivinhe com o quê? Espumante. Separe 1/2 taça para cada vez que for regar o assado;
  3. PARA DAR SABOR AO ARROZ FESTIVO: o arroz à grega também pode entrar no clima festivo, adicionando uma taça de espumante logo depois de fritá-lo. Aliás, as famosas passas de final de ano podem ser hidratadas no espumante também. Para os que não são fãs de arroz à grega, que tal um arroz com espumante e amêndoas torradas?
  4. NA SALADA: atenção que essa dica é ouro! O espumante serve como base de molho para saladas ao usá-lo ao invés de vinagre, com um fio generoso de azeite, sal, pimenta e uma folha de limoeiro, que fica em infusão por alguns minutos antes de regar folhas e legumes;
  5. NA SOBREMESA: o espumante pode ser utilizado nas receitas de sobremesa, tanto para umedecer biscoitos em pavês ou como ingrediente principal numa mousse, batido no liquidificador com uma lata de leite condensado e uma lata de creme de leite sem soro. A medida do espumante é a mesma da lata e o Moscatel é o mais indicado para esse preparo.

Seja nas taças ou nos pratos, use a criatividade e aproveite os espumantes brasileiros nas festas de final de ano.

Veja aqui mais informações sobre este tipo de bebida.

Bebidas alcoólicas são proibidas para menores.
Se beber, não dirija.

Publicado por

Nastacia e Benta

Tia Nastácia com habilidades mágicas na cozinha, uma profunda conhecedora dos sabores e das tradições populares do Brasil , frita bolinhos de chuva, assa biscoitos, cozinha lentamente a geleia feita com as jabuticabas plantadas no quintal. Foi de suas mãos que surgiu a a irreverente, tagarela e espevitada boneca de macela Emília. Já D.Benta é uma mulher idosa, avó de Narizinho e Pedrinho. Dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo, ela se diverte muito com os conflitos das tramas infantis. Muito sabida, sempre ensinando coisas novas aos netos e informando-os sobre a cultura do Brasil e do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *