Páscoa, doces costumes, sensacional gastronomia!

Compartilhe este texto:

A Páscoa está chegando, e aqui vão algumas informações sobre esta que é uma das festas mais sensíveis, uma época cheia de tradições, e em muitos países não se resume apenas em ovos de chocolate e no famoso coelhinho, mas também em liturgias, procissões, almoços e cafés em família, muitos alimentos e pratos culinários, cheios de significados e  tão saborosos que, como num passe de mágica, nos remetem à infância, trazendo as lembranças dos cheiros de pães e bolos assados, chocolates e guloseimas, ninhos e ovos coloridos.

Histórico, Tradição, Símbolos

A Páscoa já existia muito antes de Cristo, na Antiguidade, embora comemorada pelos cristãos como a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Para os judeus, a Páscoa (Pessach) lembra a fuga do povo judaico do Egito, além disso, o ovo, presente em muitas das comemorações, era um símbolo da fertilidade para os egípcios.

Nos mais diversos países, embora existam elementos em comuns, as tradições agregam características de cada cultura e região, com simbologias ligadas a essa data. O ovo aparece como representação de fertilidade em alguns países – e nem sempre é de chocolate, muitas vezes é ovo mesmo, pintado com cores extraídas de cascas, folhas, flores e elementos naturais. Outros símbolos conhecidos são o sino, o coelho, o peixe e o cordeiro. Como no hemisfério norte a estação que entra é a primavera, as flores e as cores alegres e claras e em tons pastel estão agregadas na decoração da Páscoa, e no hemisfério sul sendo o outono, as cores que dão o tom (amarelo, laranja, verde e marrom) vem das folhas que caem nesta estação.

Diferentes costumes, mesma Páscoa

A Páscoa é comemorada de diversas formas.

Em muitos países, como Alemanha, Áustria e Suíça, há a tradição de pintar ovos cozidos ou cascas dos ovos que são furadas e esvaziadas, e depois de pintados são colocados em árvores e arranjos. Os ovos de galinha cozidos ainda estão presentes em algumas culturas, principalmente nos Estados Unidos e Bulgária. Mesmo em países onde predominam outras culturas, como é o caso da China, a páscoa também é comemorada.

Há lugares que os ovos são unanimes. Em outros, os doces e pães que têm lugar de destaque. O chocolate parece mesmo ser a comida mais importante da Páscoa em todo lugar, até em países de maioria muçulmana, como a Malásia.

Fugindo do pensamento comum, o coelho não é um símbolo universal e inquestionável da Páscoa. Ele não tem lugar na França, onde quem reina é o peixe – chamado “Poisson d’Avril” (Peixe de Abril), sendo o coelho praticamente persona non grata na Austrália.

Já na França comida típica é o “Gâteau de Pâques” um bolo assado em formato de cordeiro. Na Bélgica e França os sinos não são tocados entre a Sexta-feira da Paixão e só voltam a tocar no Domingo de Páscoa por causa de uma lenda que diz que eles voam até Roma e quando voltam deixam cair ovos para todos. E na Suécia, as crianças comemoram a data como se fosse o Halloween, saindo para buscar doces. No Brasil, é comum presentear os amigos e os familiares com ovos de chocolate.

Como é a Páscoa em vários paísesAlemanha

Na Alemanha, assim como aqui no Brasil, é costume que as pessoas presenteiem os amigos e familiares com ovos de chocolate, mas na tradição germânica, a festa cristã dá lugar para a celebração dedicada a Ostara, deusa da primavera. A data é marcada por fogueiras e festivais.

No sul do país, é celebrada a tradicional “Alemannische Fasnet”, que é considerada a quinta estação do ano para os alemães. O período começa no dia 11 de novembro e termina na quarta-feira de cinzas. Em alguns lugares, as árvores das cidades são enfeitadas com ovos coloridos.

 

Argentina

Assim como no Brasil, os argentinos não comem carne na Sexta-Feira Santa. Mas, para eles, a restrição começa antes, na Quinta-Feira. Na Argentina são celebradas missas nos quatro dias da Semana Santa e realizadas atividades religiosas como a encenação da Paixão de Cristo. Na cidade de Tandil são feitas peregrinações ao Monte Calvário.

Armênia

Na Armênia durante a Quaresma é comum colocar vários tipos de grãos em um tabuleiro com algodão (como as crianças fazem com feijão no Brasil). Na Páscoa, os brotos servem para decorar a mesa da festa. Além disso, há a tradição de decorar cascas de ovos com figuras cristãs.

Austrália

Na Austrália, coelhos são vistos como uma praga, porque sua superpopulação está prejudicando o meio ambiente do país. Por isso, foi feita uma campanha para promover a símbolo da Páscoa o bilby, um marsupial em extinção, que parece um coelho e passou a ser um dos principais símbolos desta época. Mesmo assim, as crianças costumam usar gorros e chapéus com orelhas de coelho. 

 

Austria

Os sinos das igrejas não podem tocar entre a quinta-feira e a missa do domingo de Páscoa. Segundo a lenda, os sinos voam até Roma nesse período. No lugar dos sinos, coroinhas tocam uma espécie de chocalho de madeira enquanto entoam orações e cânticos. Além disso, o país tem a tradição de pintar ovos cozidos ou cascas dos ovos que são amarrados em árvores e arbustos. Os austríacos ainda fazem uma decoração especial: amarram plantas em volta dos ovos e colocam para cozinhar. Depois do cozimento, as plantas são retiradas, deixando desenhos nos ovos. Em algumas regiões da Áustria, ovos verdes são dados na Maundy Thursday (Quinta-feira Sagrada).

Bélgica

Assim como na França, na Bélgica os sinos das igrejas não tocam entre a Sexta-Feira da Paixão e o Domingo de Páscoa. Diz uma lenda local que os sinos voam para Roma até a Páscoa e quando voltam deixam cair ovos para todo mundo encontrar, mas para facilitar, as crianças belgas fazem ninhos de palha para estes ovos.

Bulgária
Uma das tradições na Bulgária é o costume de colorir ovos cozidos após a missa na Quinta-feira Santa. Eles também fazem pães pascais chamados kolache ou kozunak, que têm sabor semelhante ao do panetone. O pão é decorado com número ímpar de ovos coloridos e levado à igreja na madrugada de sábado. Os pães e ovos são abençoados e dados aos amigos e familiares. Após o almoço de Páscoa, cada pessoa da família pega um ovo e bate nos ovos dos outros. Acredita-se que quem ficar com o ovo inteiro, por último, terá um ano de sorte.

Canadá

No Canadá as brincadeiras de caça aos ovos envolvem bairros inteiros. Em algumas cidades, assim como no Brasil, os pais escondem doces ou chocolates pela casa para as crianças procurarem. O Carnaval de Inverno do Quebec é um dos pontos altos das celebrações da época.

China

Na China o “Ching-Ming” é uma festividade que ocorre na mesma época da Páscoa, onde são visitados os túmulos dos ancestrais e feitas oferendas de refeições e doces. O objetivo é deixar os ancestrais satisfeitos com seus descendentes.

Dinamarca

Na Quinta-feira Santa, ou na véspera da Páscoa na Dinamarca as crianças disfarçam-se de bruxos e visitam seus vizinhos e esperando receber, em troca doce ou dinheiro. Além disso, ovos cozidos são decorados e usados numa competição que consiste em rolar os ovos por uma colina abaixo: vence aquele que conseguir que o seu ovo chegue mais longe e mais inteiro.

Eslovênia

Na Eslovênia muitas pessoas decoram os ovos com enfeites de ouro e prata e presenteiam amigos e parentes.

Espanha

Na Espanha a celebração de Páscoa é essencialmente religiosa. Não há o hábito de trocar ovos de chocolate, mas as pessoas se reúnem para comer uma espécie de colomba com chocolate quente bem cremoso. Alguns hábitos são semelhantes aos brasileiros, como a ausência de carne.

Há ainda doces típicos da data, como um tipo de rabanada,

a torrija(consumida em todo o país) e o Osso de Santo (que faz parte das celebrações de algumas regiões).

Na Espanha, normalmente a Semana Santa inteira é considerada feriado e durante esse período ocorrem inúmeras celebrações por todo o país. As procissões em algumas cidades da Espanha são quase tão importantes quanto o Carnaval para o Rio de Janeiro. As pessoas se fantasiam de Romano, de Jesus e de Apóstolos e carregam pelas ruas a cruz de Jesus.

Assim como no Brasil, alguns espanhóis se reúnem no Sábado de Aleluia para malhar ou queimar o boneco que representa Judas.

O ritual de Semana Santa celebrado na Andaluzia pode parecer assustador, com procissões nas ruas com pessoas usando capuzes sinistros e carregando tochas. Mas esta tradição do sul da Espanha é uma das maiores comemorações religiosas de cidades como Sevilha, Málaga e Granada.

Estados Unidos

Nos Estados Unidos o mais tradicional ainda é a “caça ao ovo”, onde ovos cozidos, decorados com tintas,  ou ovos de chocolate,  são escondidos pelo quintal ou pela casa para serem descobertos pelas crianças na manhã de Páscoa. Em algumas cidades a “caça ao ovo” é um evento da comunidade e é usada uma praça pública para esconder os ovinhos.

Etiópia

A celebração da Páscoa na Etiópia começa na Quaresma, quando os católicos mais fervorosos deixam de consumir qualquer produto de origem animal, ou seja, além da carne, evitam o leite, a manteiga, ovos, queijo e o iogurte. No domingo de Ramos ocorre um bonito festival — chamado Fasika —, durante o qual os etíopes se vestem de branco e usam enfeites nas cabeças e anéis feitos com as folhas das palmeiras. A comida tradicional de Páscoa é o ensopado de carneiro ou cordeiro com uma espécie de panqueca, assim como um pão azedo chamado “Dabô”.

França

Na França não são os coelhinhos que trazem os ovos de chocolate, mas os sinos que volta da viagem a Roma com muitos doces para as crianças, além disso, há um desfile de chapéus.

E o peixe é um símbolo que encontramos até em confeitarias, lindos e de chocolate!

A refeição tradicional do domingo ou da segunda-feira de Páscoa é o carneiro (preparado com vegetais da primavera) que é um dos símbolos da Páscoa na França.

Grécia

Na Sexta-feira Santa na Grécia é comum que algumas igrejas ortodoxas montem uma espécie de túmulo no centro dos templos, que são visitados como se fosse um funeral. Além disso, também ocorrem procissões. Os gregos utilizam ovos pintados de vermelho para representar o sangue de Cristo, que são quebrados depois que a ressurreição é anunciada.
A comida tradicional de Páscoa na Grécia é o carneiro assado, e há quem ainda siga o costume de tomar uma sopa feita com o estômago do animal no domingo pela manhã.

Hungria

Na segunda-feira de Páscoa na Hungria as mulheres húngaras são molhadas pelos rapazes com perfume ou água perfumada e retribuem a “bênção” com um beijo e um ovo vermelho.

 

Índia

Na Índia, a Quaresma é vista como uma época de sacrifícios, nos muitos lares cristãos do país. As famílias economizam durante todo esse período, pondo dinheiro numa caixa de oferendas em casa, e doam o dinheiro na Páscoa.

Nas cidades da Índia onde hindu é praticado, em vez da páscoa, como conhecemos, é comemorado o Festival Holi. A data é marcada para relembrar o nascimento do deus Krishna. As pessoas se reúnem para dançar, tocar flautas e se deliciar com verdadeiros banquetes com comida e pratos típicos.

Outra marca da festa é a presença dos elefantes que recebem pinturas especiais pelo corpo e as pessoas atiram pó colorido umas nas outras.

Inglaterra

Na Inglaterra as pessoas celebram o feriado de páscoa de diferentes maneiras. A mais comum é procurar ovos de chocolate em jardins e praças públicas. Outra opção são as mansões rurais espalhadas por todo o país, onde alguns organizadores locais preparam uma verdadeira festa para passar o dia.

Em Londres, docerias e casas de chocolate promovem diferentes eventos, assim como outros lugares públicos, onde a celebração conta com shows de marionetes, mágicos e bandas.

Assim como aqui no Brasil, na Inglaterra também existe o costume de se presentear ovos de chocolate.  Outra tradição é a Rainha distribuir moedas especiais para a ocasião diante da Abadia de Westminster, em Londres. Esse festejo ocorre a cada dois anos, e normalmente os objetos distribuídos se tornam peças de colecionador.

Assim como na Irlanda, a Inglaterra tem o bolo de Páscoa, o Simnel,  como tradição desde a Idade Média. É feito com frutas secas e 11 bolas de marzipã no topo, que simbolizam os apóstolos de Jesus, exceto Judas.

Em algumas zonas da Inglaterra, por exemplo, é comum dançar-se a Dança Morris, no Domingo de Páscoa, para espantar os espíritos do inverno. Na Grã-Bretanha, as crianças costumam usar gorros e chapéus com orelhas de coelho. As britânicas também enfeitam os acessórios com flores, para marcar a chegada da primavera.

Itália

A Páscoa na Itália dura até a segunda-feira, o feriado é chamado de pasquetta ou pasquela. Em Roma, cerimônias, procissões e a missa festiva são celebradas no Vaticano. Nápoles, no sul da Itália, é conhecida por ter criado a conhecida Pastiera di Grano. A torta à base de trigo, ricota açúcar e ovos, confeccionada seguindo tradições ancestrais é tradicional, além das procissões e festejos do domingo da Páscoa.

Dentre as muitas lendas sobre a origem da Colomba Pasquale, uma delas diz que o bolo em forma de pomba, simbolizando a paz, impediu a invasão da cidade de Pavía (Lombardia), no norte da Itália.

México

No México, os chocolates e o coelho da Páscoa só fazem parte da rotina das classes mais altas, mas em geral os mexicanos não comem carne na Sexta-Feira Santa, só que diferentemente do Brasil, no México não comer carne é seguido em todas as sextas-feiras da Quaresma. No país, a encenação da Paixão de Cristo é o símbolo das comemorações de Páscoa.

Além disso, no México ao meio dia do Domingo de Páscoa, os bonecos que representam Judas – o apóstolo que traiu Jesus – são espancados, enforcados e queimados. Em algumas cidades, Judas é representado por uma piñata – um jarro cheio de doces – que as crianças devem tentar destruir, para comer os doces.

 

Polônia

No Domingo de Páscoa é comum à mesa possuir um cordeiro talhado em manteiga, usado como ornamento, que pode ser comprado em lojas ou feito em casa. Na missa de domingo, cada família leva uma cesta com ovos cozidos e outros alimentos para ser abençoada. Depois, todos se reúnem para tomar o simbólico café da manhã. Há também troca de ovos de galinha decorados. Esses objetos, chamados de pisanki, são talismãs de boa sorte e simbolizam amor, fertilidade e fortuna. O bolo típico e muito saboroso é o o Mazurek, um bolo de folha fina, com parte inferior feita de pastelaria e seguido de uma segunda camada de massa. O conjunto é então coberto por geleia e chocolate.

Outra tradição na Polônia é chamada de “Dyngus”, ou “Smingus Dyngus”, onde os rapazes devem molhar as moças com perfume ou água perfumada, como simbolismo de purificação.

Portugal

Na Páscoa de Portugal não falta bacalhau, que não é o único prato nas comemorações da Semana Santa. Além das amêndoas e do chocolate, há também o Folar.

Segundo uma lenda portuguesa, o sonho de uma jovem aldeã chamada Mariana era se casar. Após pedir à Santa Catarina, surgiram dois pretendentes: um lavrador pobre e um fidalgo rico. No Dia de Ramos, os dois envolveram-se em uma luta e o lavrador foi escolhido por Mariana. Mas a jovem ficou com medo de que o fidalgo matasse o noivo no dia do casamento e recorreu novamente à Santa, que lhe sorriu. Agradecida, a jovem lhe ofereceu flores. Quando chegou em casa, Mariana encontrou um bolo com ovos inteiros ao lado das flores que havia oferecido à Santa Catarina. Como o mesmo aconteceu com os dois pretendentes, o bolo tornou-se símbolo da celebração da reconciliação e da amizade. Por esta razão, no Domingo de Ramos os portugueses oferecem a seus padrinhos um ramo de flores e recebem, em troca, o Folar.

Romênia

Em algumas regiões da Romênia, na segunda-feira após a Páscoa, os rapazes, carregam baldes de água, vão de casa em casa procurar moças solteiras: se estas estiverem prontas para dormir, eles atiram água. Acredita-se que, com isto, as donzelas se casarão em breve. Em troca, elas oferecem belos ovos decorados ou o bolo tradicional da época, o “Pasca”.

Rússia

Para começar, a Páscoa é chamada na Rússia de Paskha (Пасха). Ela também é comemorada em um domingo. Mas, como a igreja ortodoxa usa um calendário diferente (elaborado pelo imperador Romano Júlio Cesar) as datas muitas vezes não coincidem com o seu correspondente católico.

A celebração da Páscoa na Rússia começa no Sábado de Aleluia a noite, quando os fiéis vão à igreja e, a meia-noite, caminham em volta das igrejas segurando velas a cantando hinos, até que o Padre bata na porta da igreja três vezes, convidando os fiéis a entrarem para celebrar a Ressurreição de Cristo. Depois da bênção da sua comida, levada em cestos de Páscoa à igreja, os fiéis voltam a casa para celebrarem com as famílias e fazem uma grande festa em que são servidas as comidas abençoadas na Igreja.

A tradição dos ovos coloridos também é forte na Rússia. Mas lá, ao dar o ovo para outra pessoa, se diz “Khristos Voskrés” (Cristo levantou, ressuscitou). Já quem recebe o presente deve responder “Voístinu Voskrés” (Levantou/Ressuscitou realmente). Esta tradição remonta aos tempos antigos, quando Maria Madalena trouxe um ovo ao Imperador Tiberius, dizendo “Cristo levantou”.

Entre os presentes distribuídos na Páscoa, estão ovos coloridos com desenhos ou simplesmente decorados com cores brilhantes. Uma das tradições mais conhecidas da Rússia e de países do Leste Europeu nesse período é a de pintar ovos de galinha ou codorna. Eles podem ser coloridos de forma natural (deixando-os ferver em uma panela com casca de cebola) ou artificial (usando corantes na água em vez da já citada cebola). Usando cebola, o ovo fica com uma coloração marrom. Existem diversos corantes para fazer os ovos de muitos tons diferentes. Algumas pessoas também pintam os ovos usando pincéis pequenos, fazem verdadeiras obras de arte com eles. Dizem que este costume que começou quando, em 1884, o Tsar Aleksandr III pediu a Karl Fabergé, joalheiro e artista da Corte, que fizesse um ovo especial para ele oferecer à Tsarina. 

Colorir e decorar ovos é um costume também bastante antigo praticado no Oriente. Nos países da Europa de Leste, os ortodoxos tornaram-se grandes especialistas em transformar ovos em obras de arte. Da Rússia à Grécia, os ortodoxos costumam pintar os ovos de vermelho.

Já ovos de chocolate  não  são relacionados com a Páscoa. Para os russos, eles são somente ovos de chocolate, que podem ser comprados durante o ano inteiro. Chocolate em si também não tem nada a ver com a Páscoa para os russos. Ele nem era conhecido na Europa e Ásia nos tempos de Jesus. E como a igreja ortodoxa gosta de guardar as tradições, não introduziram essa novidade.

Na semana antes da Páscoa (Paskha em russo), as pessoas trazem galhos de salgueiro para casa (“Verba”), tocando com eles uns nos outros para dar sorte.

A comida tradicional da Paskha russa é um pão de amêndoas e frutas cristalizadas chamado Kulich (muito semelhante ao panetone), que é sempre servido com um patê de queijo adocicado, também chamado de Paskha.

A Kulich é, geralmente, muito bem decorada, com muitas cores, como gostam os russos. O mais comum é o uso do glacê de açúcar branco, o fondant, sobre o qual se aplicam os mais diversos enfeites (confeitos coloridos, bichinhos e flores de marzipam, frutas cristalizadas e secas, balas de goma). É habitualmente servida com uma espécie patê doce de queijo, chamado de Paskha, que é passado sobre o pão como se fosse manteiga.

A Paskha (também grafado пасха, paska, pasca e pascha) é moldada em forma de pirâmide, sobre a qual, muitas vezes, escreve-se em cirílico, as letras e XB (Khristos Voskrés). É uma iguaria da tradição da Igreja Ortodoxa, preparada em vários países do Leste Europeu.

Mas estas são  apenas duas estrelas na noite.  Na mesa da Páscoa russa, também haverá sempre um presunto ou um leitão assados, dando início à comilança depois de 40 dias de jejum, tradicionalmente sem produtos de origem animal, no mais puro estilo vegano.

Suécia

Na Suécia, os rituais tradicionais desta época são diferentes, incluindo o Domingo de Ramos, que marca a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, recebido com ramos de palmeiras. Existe a superstição de que as bruxas ficam especialmente poderosas nesta semana. Numa terça-feira, elas voam em suas vassouras para se juntar ao demônio num lugar chamado “Blakulla”, retornando no sábado seguinte. Na manhã de Páscoa, as pessoas temem acender suas lareiras, porque as bruxas de Páscoa podem ter deixado algum feitiço sobre as chaminés, a caminho de Blakulla. Para se assegurarem de que estão livres de feitiços, queimam nove tipos diferentes de árvores antigas.

Para que as vassouras das bruxas voem, são molhadas com uma poção secreta, segundo a lenda, e elas se reúnem nas torres das igrejas para seguirem juntas até Blakulla. Aproveitam para raspar algum metal dos sinos, pois este seria usado nessa poção. Assim, é prova de coragem entre os rapazes passar num campanário a noite anterior à Páscoa, sem fazer qualquer movimento, pois se forem descobertos pelas bruxas tornam-se instantaneamente calvos. Também são comuns cruzes e outros símbolos sacros nas portas, tiros para o céu e outras práticas anti-bruxas.

Crianças suecas costumam se vestir de bruxas (como no Dia das Bruxas dos Estados Unidos), levando cartas ou pequenos cartões decorados (Easter letters). Na área ocidental do país, os cartões são colocados nas caixas de correio ou sob as portas, mantendo-se secreta a identidade de quem os envia. Na tarde antes da Páscoa, costumam comer ovos de Páscoa, que são cozidos e em muitos casos decorados, mas as estampas são mais simples e irreverentes, diferindo um pouco das usadas em outros países da Europa.

 

Suíça

Na Suíça, não poderia faltar chocolate nas comemorações de Páscoa. Os coelhos de chocolate são escondidos dentro de casa e as crianças devem procurá-los. A segunda-feira após o Domingo de Páscoa, também é feriado por lá. Além disso, seguem a tradição europeia de pintar ovos de galinha. Em Berna, a tradição chama “Eiertütscha” e reúne no domingo de Páscoa na Praça Kornhausplatz, adultos e crianças para a disputa dos ovos.

Ucrânia

Na Ucrânia a tradição mais forte é a decoração de ovos coloridos para presentear amigos e parentes. A tradição diz que, se as crianças forem bem comportadas, e deixarem um boné de tecido num lugar escondido na noite anterior ao domingo de Páscoa, o coelho deixará doces e ovos coloridos nesses “ninhos”.

Uruguai

No Uruguai, as comemorações da Semana Santa começam no Domingo de Ramos, uma semana antes da Páscoa. Na Quinta-Feira Santa, os uruguaios comemoram refazendo a Via Crucis. Na Sexta-Feira Santa, dia de luto pela morte de Jesus, não há festejos, mas como no Brasil, não se come carne. Já o Domingo é dia de festa com muitos ovos de chocolate.

Seja onde for, que a época de  Páscoa nos proporcione renovação e convivência, com seus costumes,  suas cores, sabores e tradições! Boa Páscoa!

Publicado por

Nastacia e Benta

Tia Nastácia com habilidades mágicas na cozinha, uma profunda conhecedora dos sabores e das tradições populares do Brasil , frita bolinhos de chuva, assa biscoitos, cozinha lentamente a geleia feita com as jabuticabas plantadas no quintal. Foi de suas mãos que surgiu a a irreverente, tagarela e espevitada boneca de macela Emília. Já D.Benta é uma mulher idosa, avó de Narizinho e Pedrinho. Dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo, ela se diverte muito com os conflitos das tramas infantis. Muito sabida, sempre ensinando coisas novas aos netos e informando-os sobre a cultura do Brasil e do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *