Série “Condimentos, Ervas, Especiarias e Temperos” – 1

Atitudes para sua vida, saúde e bem estar!

Não dá para negar, o sal é o tempero mais popular do mundo. Além de dar um gostinho a mais no prato, ele ajuda a equilibrar as células e transmitir impulsos nervosos. Porém, o consumo de sal em excesso pode gerar diversos problemas à saúde, como aumento do risco de hipertensão, doenças cardiovasculares, derrame cerebral, osteoporose, câncer no estômago, catarata…O ideal é consumir até 2 gramas de sódio diariamente.

O segredo está então em substituir o restante por condimentos, temperos,  ervas aromáticas e especiarias que, além de dar sabor aos alimentos, proporcionam também benefícios ao organismo.

As palavras tempero e temperança, cuja raiz é a mesma, significam moderação, equilíbrio, auto-controle… Todas elas qualidades preciosas tanto na vida como na culinária.

A dose certa de tempero pode acrescentar sabor, valorizar e dar brilho a determinado “prato” ou circunstância e pode, também, tornar mais brando algo que não devia ser evidenciado.

Condimento ou tempero é a substância (erva, raízes, especiaria, sal, pimenta, colorau, etc.) que é acrescentada a um alimento (antes, durante ou após o seu preparo, ou ainda na sua degustação), para emprestar-lhe sabor,aroma, cor ou realçar o seu paladar.

A exata definição de o que é ou não um condimento varia. Algumas definições incluem especiarias e ervas, incluindo sal e pimenta, usando o termo condimento tanto quanto a palavra tempero. Outros restringem a definição para somente “compostos alimentares preparados, contendo uma ou mais especiarias”, que podem ser adicionados à comida após o processo de cozimento, como mostarda, ketchup ou molho de menta.

A utilização dos condimentos é muito variável, de acordo com hábitos e tradições das regiões mundiais. A maioria destes ingredientes tem como origem o Oriente, a Europa e as Américas.

A princípio, o sal, as ervas e especiarias foram e ainda são, utilizadas para conservar os alimentos.

Paracelso, médico e alquimista suíço, que viveu nos anos 1400-1500, foi quem disse que “a dose certa diferencia o veneno do remédio”.

Se na culinária aplicarmos o mesmo princípio, teremos o mesmo resultado. Muito tempero pode estragar, ou “envenenar” a comida. No entanto, uma comida sem qualquer tempero, além de insossa, poderá ser intragável.

Importante ressaltar que cada cultura tem a sua dose de tempero. Há os que vivem com mais paixão e fervor, e há também os mais discretos, que gostam de passar despercebidos. São comportamentos e gostos imbuídos de hábitos culturais.

Não podemos deixar de notar as especiarias nos pratos indianos e a pimenta nos mexicanos, assim como não sentimos o gosto do sal ou de temperos no arroz japonês…pois este arroz precisa contrastar com os legumes crocantes e os molhos agridoces, tão presentes na culinária nipônica.

Ter a sensibilidade ao notar que é preciso temperar um alimento, e acertar a dose, fará cada receita mais forte e saborosa. Dizem que este é um dos “dons” naturais dos grandes “chefs du cuisine”. Alguns nascem com esta capacidade, outros tantos estudam e aprendem como empregar as combinações entre os condimentos e temperos.

Devemos ter atenção, pois os temperos industrializados vêm carregados de sódio que elevam a pressão arterial e causam outras complicações. Portanto, vamos falar um pouco dos benefícios dos temperos naturais que substituem o sal de cozinha. Se possível utilize temperos frescos, in natura, ou então secos, mas de origem comprovada.

As ervas podem ser usadas em todas as preparações e refeições dando um sabor diferenciado aos alimentos. Uma das principais vantagens é o fato de os temperos serem ricos em substâncias antioxidantes prevenindo contra o envelhecimento precoce, auxiliando na melhora da circulação sanguínea, na digestão e são excelentes para o bom funcionamento do nosso organismo.

Entender a utilização dos temperos e condimentos, a temperança dos sabores do mundo, é a receita de sucesso para a culinária, para a boa saúde. Aprender a viver com temperança é o caminho certo para uma existência mais equilibrada e feliz.

Vamos conhecer os tipos de ervas e temperos, os condimentos, lugares para encontrar estes ingredientes, como fazer uma pequena horta de ervas e temperos, e apresentar estas informações em uma série de posts aqui no blog Colher de Pau. É importante ressaltar que nenhuma especiaria é um remédio em si. E que os excessos, em qualquer caso, podem ser prejudiciais à saúde!

Veja informações sobre eles e já comece a incluí-los em suas receitas:

Colher de Pau. É importante ressaltar que nenhuma especiaria é um remédio em si. E que os excessos, em qualquer caso, podem ser prejudiciais à saúde!

Veja informações sobre eles e já comece a incluí-los em suas receitas:

Nome Origem, descrição e benefícios Utilização
Açafrão Digestivo, anti-inflamatório e laxante suave.

Espanha, Grécia, Irã e Itália produzem açafrão de boa qualidade. O açafrão, como muitas das especiarias, têm classificações, o “Sargol” iraniano e o “Coupe” espanhol são considerados os melhores. Há ainda o mais raro e mais caro açafrão da região do Himalaia.Ele é cultivado desde 2.300 AC e já foi usado como cosmético, Cleópatra lavava seu rosto com ele, como corante e na medicina. Tem cor avermelhada, sendo um dos temperos mais caros, pois é o estigma(pistilo) de uma flor. O melhor açafrão é de cor vermelho intenso, sem traços amarelados ou brancos.

Essencial em paellas, risotos, sopas e pratos tradicionais do mediterrâneo e Europa.

Combina com arroz, batatas, ovos, cogumelos, etc.

É normalmente mais utilizado com carnes brancas para que sua cor sobresaia: frango, frutos do mar e peixes. Mas seus aromas e sabores combinam com todas as carnes.

Pode ser usado também para fazer bolos, pães e biscoitos.

Na cozinha indiana e de alguns países árabes ele aromatiza sobremesas cremosas como arroz doce, sorvetes, caramelos, etc.

O açafrão em filamentos  deve ser adicionado a um líquido para que solte sua cor, aroma e sabor. Para melhor extração deixe-o de molho por aproximadamente 15 minutos antes do preparo do prato.

Alecrim É antioxidante (ou seja, retarda o envelhecimento) e diurética. Também protege contra o câncer e auxilia a digestão, é estimulante, ativador da circulação sanguínea, antidepressivo e antisséptico. carnes, marinados, refogados de legumes e frutos do mar

Alho Além de ter propriedade anti-inflamatória, antibacteriana, antiviral, antifúngica e diurética, os dentes de alho ainda aliviam tosses, bronquite e resfriados. Melhora a circulação sanguínea, purifica o sangue e previne alguns tipos de câncer, principalmente o de estômago. Auxilia no sistema imunológico. carnes, frangos, refogados,  molhos de tomate
Canela Anti-inflamatória, antioxidante, antimicrobiana. A canela possui uma série de benefícios. Ele ajuda a prevenir e combater o diabetes, controlando os níveis de açúcar no sangue e aumentando a sensibilidade à insulina. Esta especiaria originária da Ásia, mais precisamente do Sri Lanka, também contribui para o emagrecimento por ter uma ação termogênica. Estudos apontam que a canela ajuda a diminuir o colesterol total e o ruim, LDL, e também os níveis de triglicérides.

 

A Canela do Ceilão (Canela-da-Índia) é mais adequada para doces, por ser mais delicada e a Cássia (Canela-da-China ou Canela Saigon) para salgados. Mas isso não é uma regra, no Brasil e na maioria dos países a Cássia é usada para tudo.

Para diferenciar:

Canela do Ceilão (Canela-da-Índia)

é considerada a canela verdadeira e possui um óleo essencial que a distingue da cássia, dando-lhe um toque de cravo. Seu sabor e aroma são considerados mais complexos.
O ramo(pau) da Canela-da-Índia é bem delicado e se parte com facilidade. Ele tem mais camadas que são bem finas e enroladas bem firmes. É moído facilmente em moedor elétrico.

Cássia (Canela-da-China ou Canela Saigon)

O  ramo (pau) da Cássia,  é mais grosseiro, mais escuro e mais duro. Pode ser vendido com a parte externa, que é esbranquiçada. É difícil de ser moída em casa.
Como utilizar:

Em pau, ela deve ser cozida em líquidos e é muito útil quando o sabor é desejado, mas não a cor.
Em pau junto com o cravo aromatiza a maioria dos doces em compota no Brasil.
Em pó é muito usada na confeitaria e padaria do mundo todo, aromatizando bolos, tortas, pães e rosquinhas de todos os tipos.
Combina muito bem com bebidas principalmente de chocolate, café e chá.

Em pratos salgados é muito usada no Marrocos, Índia e no Oriente Médio, principalmente em pratos de frango e carneiro.

Entra na composição do tempero de cinco condimentos chineses, do garam masala indiano e da pimenta síria.

Cardamomo O cardamomo são as sementes de uma planta da família do gengibre, que nascem dentro de uma cápsula de cor verde O cardamomo é uma vagem recheada de grãozinhos de cheiro doce. É uma das especiarias mais caras do mundo, ali juntinho com baunilha e açafrão,  nativo do sul da Índia e é conhecido como a rainha das especiarias.
É colhido verde e colocado para secar tradicionalmente em fornos a carvão por 3 dias.
O maior exportador hoje em dia é a Guatemala, onde ele é processado em máquinas modernas.O de melhor qualidade é de cor verde. O cardamomo de cor clara, ou está velho, ou foi colhido fora de época ou foi seco ao sol. Ou ainda pode ter sido branqueado.
O cardamomo é também conhecido por seus efeitos medicinais, para problemas de digestão incluindo azia, espasmos intestinais, síndrome do intestino irritável, gases, entre outros problemas digestivos. É também usado para alívio do resfriado comum, tosse e bronquite. Na Índia é mastigado após as refeições e é usado para branquear os dentes e refrescar o hálito.
Por ter sabor pronunciado, e comece a utilizá-lo em doces, como pudins e geleias. Só depois de acostumar ao seu sabor, arrisque usá-lo em pratos salgados.
É ingrediente bastante comum na culinária indiana, em doces e salgados, e até no arroz.Gastronomia: o cardamomo aromatiza pratos salgados, doces e bebidas como café e chá.Fica delicioso no chocolate quente.
Combina muito bem com baunilha e açafrão.
Combina com frutas cítricas, maçãs, pêras, mangas e com salada de frutas ou frutas cozidas. Fica maravilhoso em preparações com leite, creme ou iogurte, como sorvetes, pudins e arroz doce.Na Escandinávia é usado na confeitaria para aromatizar bolos, tortas e biscoitosÉ um componente essencial de várias misturas de temperos indianos e árabes.Pode ser usado em marinadas para carnes e frango, combina muito bem com arroz.
Na indústria: seu óleo essencial é usado em xaropes, remédios para tosse, em cosméticos e em perfumes.Na indústria alimentícia é usado em bebidas, comidas congeladas e gelatinas.Como usar: Pode ser usado inteiro ou moído.Pode ainda ser tostado a seco ou em óleo antes de ser adicionado à preparação.
A melhor maneira de trabalhar com cardamomo é abrir as vagens na hora de usar, retirar os grãos e moer/amassar. Dentro de cada vagem há cerca de 10 a 20 grãos/sementes.
Pode ser usado com ou sem casca, mas quando com casca deve ser amassado para uma melhor extração do sabor. As cascas devem ser descartadas após o cozimento, não são comestíveis.Cuidados ao comprar: verifique se a casca está inteira, bem fechada, sem furos e sem manchas.As sementes internas devem ser de cor marrom bem escura e ligeiramente pegajosas, quando estão muito secas e acinzentadas é sinal de que está velho.
Evite comprar cardamomo em pó, além de perder logo seu aroma, por ser muito caro costuma ser falsificado.
Cebola Previne tumores, impede a formação de coágulos, combate bactérias e fungos e fortalece o sistema imunológico. É antioxidante, digestiva,antimicrobiana e estimulante cardiovascular saladas, carnes, molhos – ela vai bem em muitos pratos
Cebolinha Da família da cebola, é rica em vitaminas a, B e C. Contém uma boa dose de enxofre, associado ao combate de doenças cardiovasculares. receitas com peixes, ovos, legumes, refogados, saladas e sopas
Coentro Antioxidante, digestivo, e auxilia no tratamento da ansiedade.

As sementes de coentro são proveniente da mesma planta que a erva que conhecemos e que alguns amam e muitos outros odeiam! Mas para quem não conhece, saiba que as sementinhas não tem o aroma nem o sabor da erva e temperam muito bem quase todo tipo de prato.
A planta é uma antiga conhecida nossa, foi mencionada na Bíblia e suas sementes foram encontradas em tumbas no Egito. A planta é colhida, as sementes são secas por alguns dias e então são comercializadas.
Existem duas variedades de sementes: a redonda, mais escura e comum e que é vendida aqui no Brasil  e a alongada e de cor mais clara proveniente da Índia, que é um pouco mais adocicada e tem um aroma bem cítrico

São usadas no mundo todo podendo estar cruas, tostadas, inteiras ou moídas.
São macias, por isso são moídas facilmente à mão e devem ser compradas inteiras para não perderem o sabor. Após moer, coe para retirar alguns pedaços da casquinha externa que normalmente não moem bem.Os indianos usam as sementes tostadas, o que as deixa com um sabor mais complexo, mais caramelizado. Você pode tostar antes de moer, se desejar. Na Índia as sementes são usadas em quase tudo: curries, chutneys, saladas, sopas e até em bebidas.As sementes de coentro têm sabor suave, por isso podem ser usadas em maior quantidade que outras especiarias. São muito usadas em misturas de temperos como uma base ajudando a balancear o sabor das misturas como curries e temperos do norte da África e Oriente Médio.
Os grãos de coentro são muito usados em picles, conservas e marinadas.
Combinam com carne, frango, porco e peixes, camarão. E todo o tipo de vegetais! Moído e tostado fica delicioso em um purê de batatas e dão um toque especial a pratos com cogumelos.Também são usadas em massas de bolos, biscoitos e tortas.Combinam muito com frutas como maçãs, pêras, laranjas e ameixas e em compotas.
Cominho Nativo do mediterrâneo, pode ser encontrado em pó ou em grão. É diurético e auxilia no tratamento de flatulência (gases). pães, queijos, tomates, batatas, hambúrgueres e assados
Cúrcuma Raiz da família do gengibre, é anti-inflamatória e anticancerígena. Uma colher (chá) por dia é suficiente para deixar os alimentos mais saudáveis.

É o chamado açafrão da terra, tem cor amarelada/alaranjada.

sopas, molhos, pães, maioneses, frangos, carnes e feijão
Curry curry é um preparo de especiarias diversificadas e nele é possível encontrar  gengibre, pimenta dedo-de-moça, pimenta vermelha, canela em rama, cominho, pimenta-do-reino, cardamomo, cravo, erva-doce, cúrcuma e coentro em grãos, eles são torrados e moídos e misturados em dosagens diferentes para a criação do curry.

O curry possui coloração amarela e isso se deve a cúrcuma que compõe a mistura, mas esse curry que conhecemos não é o original usado na Índia, já que lá o costume é misturar todas das especiarias diariamente, a nossa versão é uma invenção dos ingleses.

Para os apreciadores,a boa noticia é que essa mistura de especiarias reúne grandes benefícios para a saúde como: antioxidante,  diurética, alivia sintomas da menopausa e, combate tonturas e infecções estomacais e intestinais,  estimulante do sistema imunológico, anti-inflamatório e digestivo.

Carnes, peixes, aves, molhos, sopas de peixes, assados e cozidos. Fica ótimo em queijos, tofu,  e realça o sabor em muitas comidas vegetarianas.

Pode ser encontrado nos supermercados em pacotinhos ou vidros, ou a granel e pode ser mais ou menos picante, mas de modo geral a mistura vendida no Brasil tem bastante sabor de pimenta-do-reino e cominho

Se você deseja começar a usar curry, tome cuidado pois ele é forte e quando usado em grandes dosagens pode acabar estragando a experiência.

Cravo da Índia O aromático cravo da Índia pode ser encontrado inteiro ou em pó.

Por seu sabor e aroma serem muito fortes deve ser utilizado com parcimônia.

O botão de sua flor, seco, é empregado na culinária como condimento para pratos doces, utilizado como especiaria desde a antiguidade  e na fabricação de medicamentos.

O seu óleo tem propriedades antissépticas, sendo bastante usado em odontologia.

Uma das especiarias mais valorizadas, no mercado do início do século XVI um quilo de cravo equivalia a sete gramas de ouro.

É muito usado em doces e conservas de todos os tipos, mas também combina com salgados. Fica ótimo no tender do Natal e pode ser usado em ensopados de todos os tipos e com arroz. Espetado em uma cebola junto com uma folha de louro é usado para aromatizar caldos.
Endro O endro tem propriedades digestivas, sendo tradicionalmente usado especificamente para combater as cólicas e a hiperacidez. Ttambém conhecido por aneto (italiano) ou dill, é uma planta anual da família a que pertencem também a salsa e a cenoura, originária da região entre o Cáucaso e o Crescente Fértil. Por essa razão, é usada tradicionalmente no Médio Oriente, na Europa de Leste e foi introduzida na Escandinávia e na Europa ocidental, principalmente como uma erva aromática, sendo utilizadas tanto as folhas como as sementes.

Para além de ser usado na culinária, o endro era usado como planta medicinal pelos Iranianos ,egípcios e gregos, durante a antiguidade. Também teve significado religioso, sendo utilizado pelos antigos hebreus para pagar o dízimo, também chamado de “erva-de-deus” pelos arménios.

Na Escandinávia, o endro fresco é extensivamente utilizado para temperar e marinar vários peixes e mariscos (por exemplo, arenque e salmão, assim como em vários molhos. Na Europa de Leste, o endro é usado para temperar saladas, principalmente à base de couve, sendo também usual no borsch. É ainda adicionado, fresco ou seco, a conservas de fermentação láctica (em salmoura, e não em vinagre), nomeadamente de pepino, couve, tomate e melancia. Também melhora os molhos à base de nata azeda ou iogurte. Por essa razão, várias sopas frias, como tarator da Bulgária e okroshka da Rússia são tradicionalmente temperadas com essa erva. Na Grécia, temperam-se as dolma com endro e na Turquia e Irã é usado em guisados de favas, lentilhas e outros pratos. Mas a forma como o endro é mais conhecido no Ocidente é nos picles de pepino, chamados por isso “dill pickles”. As sementes, que têm um vago odor a anis, são utilizadas tanto nas marinadas, conservas e vinagre, como no fabrico de pão e bolos.

Para além desses usos tradicionais, o endro pode ainda ser usado para aromatizar queijos e patês, molhos,manteiga,grelhados,risotos,saladas, em especial a salada de batata.

Erva Doce Só no Brasil que ela é chamada de erva-doce, nos demais lugares chama-se de anis ou anis verde. Seu aroma característico é utilizado em vários pratos da culinária mundial.. É digestiva e indicada em casos de flatulência, cólica e gases, atuando também no sistema respiratório ao suavizar tosses e catarros. Esta erva ligeiramente doce e aromática é muito comum na cozinha mediterrânica. Com uma cor verde pálida, junto com as hastes longas, folhas e sementes, ela tem sido utilizada para fins medicinais durante séculos. Erva-doce contém vitaminas A e C. Esses dois poderosos antioxidantes protegem o corpo dos radicais livres.Aajuda na circulação de gás pelo corpo pois são ricas em óleos essenciais que ajudam a relaxar o estômago e estimular o movimento do sistema digestivo. Isto auxilia na prevenção da formação de gases. A erva-doce tem sido tradicionalmente usada não só para aliviar a flatulência, inchaço e desconforto de gases, mas também para estimular o apetite e a digestão. Na culinária podemos encontrar erva-doce nas receitas de vários alimentos, tais como bolos, pães e saladas. Em alimentos que tem como principal ingrediente o fubá, a erva-doce é imprescindível. Como tempero é usado para dar aroma as carnes, linguiças, feijão branco e salame. 
Estragão O estragão é um tempero típico da culinária francesa e é utilizado para realçar o sabor de certos ingrediente e alimentos. O sabor da folha de estragão é adocicado e ao mesmo tempo levemente picante, lembrando a algumas pessoas, mesmo que brevemente, o cheiro e gosto do funcho. A folha do estragão é utilizada na preparação de pickles, como pepinosem conserva à base de vinagre; em cozidos de panela, em saladas verdes, etc; mas ela também dá o sabor distinto do molho béarnaise. Existem muitas receitas para o uso caseiro do estragão na preparação de vinagres, vinagretes, e outras infusões gastronômicas.

Em algumas tradições populares de remédios caseiros de várias regiões do mundo, recomenda-se a infusão de folhas de estragão para amenizar cólicas menstruais, e também para outros fins curativos.

Entre os diversos povos originais da América do Norte (ameríndios) está documentada uma grande variedade de usos dessa planta. Por exemplo, o uso das folhas do estragão como repelente de mosquitos e outros insetos (utilizado no berço de bebês, e por adultos em suas moradias, e em pescarias durante a noite). Estragão, também, é conhecido como Estragão-francês e  erva-dragão.

Gengibre O gengibre (Zingiber officinale) é uma planta herbácea originária da ilha de Java, da Índia e da China, de onde se difundiu pelas regiões tropicais do mundo. No norte do Brasil é também conhecido por mangarataia. Trata-se de uma planta  que pode atingir mais de 1 m de altura. As folhas verde-escuras nascem a partir de um caule duro, grosso e subterrâneo (rizoma). As flores são tubulares, amarelo-claro e surgem em espigas eretas. O seu caule subterrâneo é utilizado como especiaria na culinária desde a antiguidade.

Trata enjôos, combate infecções e doenças cardiovasculares e auxilia no emagrecimento.

No Japão, utiliza-se o gengibre para massagens a partir de óleo de gengibre para problemas de coluna e articulações. Na fitoterapia chinesa, a raiz do gengibre é chamada de “Gan Jiang” e apresenta as propriedades acre e quente. Sua ação mais importante é a de aquecer o baço e o estômago, expelindo o frio. É usada contra a perda de apetite, membros frios, diarréia, vômitos e dor abdominal. Aquece os pulmões e transforma as secreções. A medicina ayurvédica reconhece a ação dessa planta sobre o sistema digestivo, indicadando-a para evitar enjôos e náuseas, confirmando alguns dos seus usos populares, onde o gengibre é indicado na digestão de alimentos gordurosos.

O gengibre possui sabor picante e pode ser usado tanto em pratos salgados quanto nos doces e em diversas formas: fresco, seco, em conserva ou cristalizado. O que não é recomendado é substituir um pelo outro nas receitas, pois seus sabores são muito distintos: o gengibre seco é mais aromático e tem sabor mais suave.

O gengibre fresco é amplamente utilizado na China, no Japão, na Indonésia, na Índia e na Tailândia. No Japão costuma-se usar o suco (do gengibre espremido) para temperar frango e as conservas “beni shouga”, feitas com os rizomas jovens, que são consumidas puras ou com sushi. Já o gengibre cristalizado é um dos confeitos mais consumidos no Sudeste Asiático.

Nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha para fazer os tradicionais biscoitos de bonecos de gengibre para o Natal.

Hortelã Rica em vitaminas a e C, cálcio, ferro e magnésio, retarda o envelhecimento. Na forma de chá, combate dores de barriga e prisão de ventre. Auxilia na produção de enzimas digestivas e nas infecções do trato respiratório, e é anestésica molhos, carnes, saladas, massas e sopas
Louro O arbusto, do qual se usam somente as folhas, é nativo da Ásia, e um de seus principais benefícios é estimular o sistema digestivo. Também é expectorante, melhora problemas no fígado e estômago. Quando adicionada ao feijão, ajuda a reduzir a formação de gases. feijoadas, carnes de panela, peixes e moluscos
Manjerona A manjerona (origanum majorana) é uma planta aromática semelhante ao orégano, sendo bastante utilizada como tempero para alimentos. Dentre as propriedades medicinais da manjerona estão a sua ação anti-espasmódica, expectorante, mucolítica, cicatrizante, antiviral, analgésica, antisséptica, bactericida, diurética, digestiva . Seu uso pode ser desde aromatizar saladas simples, como temperar carnes, peixes, frangos, guizados, tubérculos, molhos e até em pizzas, a manjerona tem um perfume agradável e vai ajudar a remover aquele cheiro forte de certas carnes e cortes de frango.
Manjericão É digestivo, anticéptico, antiinflamatório, ajuda no combate de infecções do trato respiratório.

Existem 60 tipos de manjericão. Não sei se temos todos aqui no Brasil.Temos manjericão de folha roxa. Um do tipo com folhas pequenas e outro com folhas longas, largas. Existe manjericão com perfume limonado, canelado, canforado, anisato ou de cravo.

Também é conhecido como basílico, palavra derivada do grego basilikos, que significa “erva digna de reis”. O manjericão é provavelmente nativo do Irã ou da Índia e chegou na Itália através do Oriente Médio. No século XV e XII foi introduzido na França e Inglaterra, respectivamente. Chegou à América com os primeiros imigrantes. No ocidente é símbolo de fertilidade. As folhas mais aromáticas do manjericão são as colhidas logo antes da florada. Elas preservam uma maior quantidade de óleos vegetais, o que determina o aroma. A planta age principalmente nos sistemas digestivo e nervoso. Alivia a flatulência, cólicas estomacais e indigestão. Também pode ser utilizado para prevenir ou aliviar a náusea e o vômito.

A maneira mais comum de usar o manjericão é como tempero, mas, em algumas culturas, essa planta é utilizada para fins medicinais.

Na culinária, pode ser usado fresco, congelado ou seco em sopas, peixes, omeletes, molhos, massas, pizzas e com vegetais como a alcachofra, brócolis, cenouras, berinjela e abobrinha. Talvez seja o melhor acompanhamento para tomates, sendo essencial em molhos e no pesto. No caso dos molhos, melhor utilizá-lo somente no final do cozimento para manter o sabor e o aroma.Alguns usos do manjericão, que podem variar conforme o tipo:

No pesto: é um dos usos mais versáteis e que você pode utilizar praticamente todo maço de manjericão, evitando o desperdício. Pesto vai bem na massa, na torrada, no pão italiano, como tempero da salada

Fresco: a maneira mais comum e, dizem alguns experts, correta, é jogar a folha fresca sobre bruschettas e na finalização de saladas, evitando o uso em pratos quentes. O manjericão ideal para esses pratos é o do tipo italiano, de folhas largas.

Preparação quente: os do tipo roxo, alface e miúdo são perfeitos para molhos quentes, pratos com carnes vermelhas, tomates, massas. E também para aromatizar azeites e vinagres, temperar ricota. Ou, ainda, no recheio de suflês.

Uso medicinal: há várias indicações de uso medicinal da planta, como para acalmar dor de estômago, combater tosse e dor de cabeça, crises de rinite, além de outras situações, como para diminuir os sintomas de picadas ou mordidas de inseto. Para esse último, bastaria morder uma folha e a colocar sobre as marcas. Serve, ainda, para reduzir o estresse, acrescentando várias folhas na água do banho. O manjericão tido como mais indicado é da espécie Ocimum selloi, também conhecido como aniseto, alfavaquinha, manjericão anis.

Noz moscada É digestiva, antimicrobiana e afrodisíaca

Noz-moscada é uma especiaria obtida a partir da semente do fruto da Moscadeira (Myristica fragans), árvore poderosa que pode alcançar 15m de altura e produz por 50 anos.
Utilizada desde o tempo dos romanos, a noz-moscada era uma das especiarias  mais valorizadas da idade média. O segredo terminou para os portugueses no século XVI. Eles conquistaram Malaca e ficaram por lá com a sua esquadra por mais de um mês comprando e enchendo seus navios de noz-moscadaEste monopólio foi afetado apenas no século XVIII, quando os franceses contrabandearam árvores de noz-moacada. Com isso, exploradores e países interessados perceberam que a especiaria se adaptava bem ao clima tropical. Rapidamente, a Moscadeira e seu fruto precioso habitavam  a Índia, Sri Lanca, Sumatra, Papua,  Nova Guiné, Singapura,  Colombia,  algumas Ilhas do Caribe  e o Brasil, principalmente no sul da Bahia.

O fruto da Moscadeira é vermelho. Quando maduro, libera a semente, coberta por uma membrana laranja-avermelhada chamada “macis”. Dentro da macis. Está  a noz-moscada.

Alguns pesquisadores afirmam que por seu elevado conteúdo em fósforo é um excelente tônico para o cérebro e para os nervos. E um bom tônico para o organismo. Acreditam que ajuda a revigora os indivíduos debilitados. É uma especiaria utilizada pela indústria farmacêutica e de perfumaria.

A especiaria noz-moscada é bastante usada na cozinha devido a sua versatilidade para  temperar massas, carnes, queijos, coquetéis, sopas,  e bebidas quentes. Sua utilização na panificação produz pães e doces diferenciados. Seu sabor lembra uma mistura de pimenta-do-reino com canela, porém mais sutil e aromático. Por ser levemente adstringente, muitos chefs acreditam que ela se sai melhor em pratos salgados.
Orégano Suas folhas têm ação antioxidante e evitam a hipoglicemia (baixa do açúcar no sangue). Em chás, alivia tosse, bronquite e cólicas intestinais. É antibacteriano, antibiótico, analgésico, antifúngico e sedativo. Auxilia no tratamento de gripes e resfriados e no tratamento e controle de micoses e problemas fúngicos. feijão branco, e receitas à base de tomates, ovos ou queijo
Páprica O pó é obtido do pimentão vermelho seco e moído. Na forma doce ou picante, a especiaria ajuda a reduzir dores e traz benefícios ao coração. Por ser da mesma família da pimenta, é antiinflamatória (sendo eficaz contra a gastrite), digestiva e estimula a circulação sanguínea. ovos mexidos, pratos à base de arroz e ensopados de carne.
Pimenta-do-reino Pode ser usada tanto em grão quanto moída. Além de saborosa, possui ação antioxidante e anticoagulante. Também previne gripes e resfriados. saladas, marinados, sopas e molhos diversos
Pimentas São digestivas, pois aumentam a produção de suco gástrico. Além disso, têm propriedades antiinflamatórias e aceleram o metabolismo. Merecem um capítulo à parte, pois são muitos tipos
Salsinha Conhecida também por salsa-de-cheiro, ajuda a suavizar dores no estômago, a eliminar gases e a combater doenças do coração. É digestiva, diurética e melhora o funcionamento do fígado e do baço. É estimulante do apetite e auxilia a digestão. Combate gripes e doenças respiratórias. molhos de ervas e manteiga, carnes, feijão e lentilha
Sálvia Aapresenta um sabor levemente apimentado e amargo.

Também é muito utilizada na medicina caseira, sendo que a infusão (para inalação) de suas folhas limpa o sistema respiratório, pois possui propriedades descongestionantes. Possui ação anti-inflamatória, sendo usada para gengivite (bochechos) e dores de garganta (gargarejo).

suas folhas são utilizadas como condimento na culinária de diversos países à séculos, apesar de aqui no Brasil ainda ser pouco utilizada. Na cozinha francesa, é utilizada para cozinhar carne branca e em sopas de vegetais. Os alemães usam-na em pratos de salsichas. É também de uso comum na cozinha italiana. Nos Bálcãs e no Médio Oriente, é usada em assados de cordeiro.
Tomilho Possui ação diurética, antifúngica e anti-inflamatória. Melhora o fluxo sanguíneo e alivia os sintomas da artrite e das dores musculares. Digestivo, antisséptico, cicatrizante e vermífugo. churrascos e pratos que levam tomate ou queijo